Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Além do Horizonte

Neste blog poderá encontrar temas relacionados com a inclusão, a forma de descomplicar e informar sobre a cegueira, bem como as dificuldades que sentimos no dia-a-dia.

Além do Horizonte

Neste blog poderá encontrar temas relacionados com a inclusão, a forma de descomplicar e informar sobre a cegueira, bem como as dificuldades que sentimos no dia-a-dia.

Felicidade e cegueira na mesma frase?

12.07.19, Além do Horizonte

 

Fiquei cega há 2 anos atrás. Em 2004 tive um descolamento de retina e fiquei cega do olho esquerdo; em 2017 foi a vez do olho direito… fiz uma cirurgia que correu mal, e acabei por ficar totalmente cega.

Confesso que nesse dia o meu mundo parou. Durante os primeiros dias não tive reação, não sabia o que fazer. Mas entretanto pensei que só me restavam duas alternativas: tornar-me uma pessoa triste, frustrada e desmotivada, ou encarar esta situação e tornar-me independente e autónoma.

Escolhi a segunda hipótese. Dez meses depois, fiz o meu primeiro percurso sozinha, entre o metro e o autocarro;cheguei ao destino em segurançae fiquei muito orgulhosa de mim.

Neste post gostaria de destacar a importância da resiliência e da adaptação, realmente somos dotados de competências que em alturas de mudança fazem mesmo toda a diferença.

A perda de visão foi uma grande perda. Mas não foi o fim.

E nesta altura sou simplesmente a Bárbara. Tenho 38 anos, sou casada e tenho duas filhas, actualmente com 4 e 13 anos, respectivamente. Para além de mulher a tempo inteiro e mãe a toda a hora, estou a preparar-me para reintegrar o mercado de trabalho, agora com outras circunstâncias.

Envolvi-me no projecto Sexto Sentido, um projecto de corrida guiada cujo objectivo é quebrar preconceitos e estimular a prática desportiva, através da inclusão de pessoas com deficiência visual no mundo do running.

Sinto-me viva. Sinto-me a Bárbara.

Uma das coisas que me faz muita confusão desde que perdi a visão, é a forma como as pessoas olham para a deficiência. Como costumo dizer, continuo a mesma pessoa, tenho as mesmas características, os mesmos gostos e vontades. Sei que tenho limitações, algumas possíveis de contornar, mas também tenho a plena convicção que a minha felicidade não depende da minha visão, mas sim da forma como escolho viver com ela.

Sem pena. Com inclusão plena!

Convidamos a assistir a este vídeo que aborda este tema de uma forma leve como tanto gostamos.

Bons horizontes!

 

 

1 comentário

Comentar:

CorretorMais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.