Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Além do Horizonte

Neste blog poderá encontrar temas relacionados com a inclusão, a forma de descomplicar e informar sobre a cegueira, bem como as dificuldades que sentimos no dia-a-dia.

Além do Horizonte

Neste blog poderá encontrar temas relacionados com a inclusão, a forma de descomplicar e informar sobre a cegueira, bem como as dificuldades que sentimos no dia-a-dia.

O mundo visto por mim, às cegas!

25.09.19, Além do Horizonte

Costumo dizer que na mesma vida tive duas experiências totalmente deferentes, uma vez que durante 36 anos tive um dia a dia como a maioria das pessoas. Às claras, onde conduzia e fazia outras tantas tarefas onde os olhos são imprescindíveis.

Nestes últimos dois anos, fiquei totalmente às escuras sem perceção luminosa. Vejo umas cores, mas segundo os médicos será uma situação neurológica, digo sempre que deve ser a minha luz interior. KKK

Aprendo diariamente a sentir o que me rodeia, a ver o mundo através da audição, do olfato, do tato ou do meu sexto sentido. São poucas as coisas que não faço por causa da minha cegueira!

Tenho uma boa memória visual, que facilita muito ao fazer os meus percursos. Vou imaginando as casas, as ruas, vou criando um mapa imaginário!

Acontece o mesmo com locais. A praia sempre foi um dos meus lugares de eleição! Agora ouço o mar com atenção, sinto o sol e a areia e é difícil para mim descrever as diferenças de quando via para agora! Acho que simplesmente por ter perdido um sentido estou mais atenta aos outros e as sensações são de facto diferentes.  

A visão é um dos sentidos mais importantes, mas ficar sem ela não é o fim.

Agora vejo com as mãos, o tato ajuda-me a entender objetos, a ler em braille; o som dá-me a perceção das distâncias, de perigos na rua por exemplo. O olfato também me dá muita informação é só estarmos atentos.

Claro que o nosso mundo é muito visual, temos de nos adaptar e utilizar todos os recursos possíveis para ultrapassar as dificuldades do dia-a-dia. Acho que ficar atenta e treinar todos os outros sentidos, fazer desporto, utilizar aplicações é o que tento fazer para melhorar e ser a cada dia mais autónoma.

 

Escolhi viver bem com a minha deficiência: a cegueira.

 Acreditem… o mundo está além do que se vê.

Ser cega não me define como pessoa, é apenas uma das minhas características.

 

Bons horizontes!